São diversos os termos que fazem parte do dicionário financeiro. Entender e dominar cada um deles pode facilitar o gerenciamento de um negócio e evitar uma série de problemas.

A gestão financeira e contábil é um grande desafio para quem não tem uma formação específica nessas áreas e o desconhecimento de seus principais termos prejudica ainda mais um gerenciamento eficiente.

Mas não se preocupe, criamos um post com as principais expressões de um dicionário financeiro para ajudar você a entender melhor tudo o que acontece em sua empresa. Continue conosco e confira!

1. Fluxo de caixa

Essa é uma das principais expressões que um empresário deve entender. Também chamado como Cash Flow, versão em inglês do termo, o fluxo de caixa pode ser conceituado como o registro de entradas e saídas de valores em sua empresa.

Esse instrumento também é utilizado para realizar o controle de todas as receitas e despesas de acordo com a ordem que acontecem. É responsável por demostrar a situação financeira líquida do negócio no período em que é consultado.

O fluxo de caixa é um dos principais instrumentos de planejamento de uma empresa, sendo que todas as entradas e saídas de valores devem ser registradas para que se possa realizar uma gestão eficiente.

2. Receita (entrada de recursos)

As receitas são as entradas de valores ou da espera por valores. Sua entrada deve ser registrada no fluxo de caixa sempre que um valor seja entregue ou um direito seja conseguido pela sua empresa.

Por exemplo, ao vender uma determinada mercadoria à vista, a entrada desse dinheiro é um valor a ser registrado. Já quando a venda é feita a prazo, não há um valor recebido, mas um direito adquirido de recebê-lo no futuro. Ele também é registrado como uma receita futura, mesmo que os valores só se concretizem no futuro.

3. Despesa (saída de recursos)

Assim como as receitas, as despesas devem ser registradas no fluxo de caixa e no plano de contas assim que ocorrerem, à vista ou despesa futura (obrigação),  para garantir o melhor controle possível acerca do equilíbrio financeiro da empresa.

As despesas são todos os custos existentes para que se possa gerar receitas e, então, alcançar os lucros, objetivo da maioria das empresas e organizações. Esses números vão depender principalmente do ramo de atuação da empresa.

Entre algumas despesas comuns temos, por exemplo, frete para entrega de mercadorias ou insumos, custo de fabricação de produtos, salários e encargos trabalhistas, entre outros valores a serem contabilizados.

4. DRE

Esse termo é muito importante porque é um dos documentos contábeis responsáveis por demonstrar como está a situação de uma empresa, se houve lucro ou prejuízo, além de ser requerido pela Receita Federal para apuração do IRPJ e CSSL, das empresas de Lucro Real,  no combate aos crimes fiscais e restituição de tributos.

O Demonstrativo Financeiro do Exercício, DRE, quantifica, com detalhes, todas as receitas e despesas de uma empresa durante o seu período contábil, determinando o resultado final.

Por meio do DRE, é possível verificar todas as receitas que a empresa recebeu em termos de valores e direitos e tudo o que ela gastou (despesas e custos) ou obrigações que adquiriu, além do resultado de suas operações, positivo ou negativo.

Algumas empresas são obrigadas a publicar seus demonstrativos com uma certa periodicidade — anualmente, trimestralmente, por exemplo —, para que seus acionistas e partes societárias possam ter uma ideia de sua lucratividade ou por exigência legal.

5. Capital de giro

O capital de giro é um dos termos mais importantes para qualquer gestor e o responsável pela mortalidade da maior parte das novas empresas. Isso porque, alguns empreendedores não lembram que precisam se manter durante um bom período  sem lucro.

Esse recurso é a principal fonte de manutenção das operações nos primeiros meses de implantação de uma nova empresa, quando ainda está sendo gerada toda a carteira de clientes e o foco é o marketing.

Quando uma empresa inicia as suas atividades, recebe dois tipos de investimentos:

–  investimento para investir em itens do ativo imobilizado (aquisição das máquinas, móveis, imóvel, etc.).

– investimento para compor uma reserva de recursos para ser utilizada conforme as necessidades financeiras da empresa ao longo do tempo (capital de giro).

Capital de giro é o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem, em geral de 50 a 60% do total dos ativos de uma empresa . 

As decisões de compras e vendas não podem ser tomadas sem nenhum critério.

O estoque de uma empresa deve atender as necessidades do mercado consumidor. Quanto maior a necessidade de aumentar o estoque, mais recursos financeiros a empresa deverá ter, o que justifica a importância do capital de giro.

Quanto mais prazo você oferece ao cliente ou quanto maior for a parcela de vendas a prazo, mais recursos financeiros a empresa deverá ter.

O empresário deve fazer uma análise do capital de giro disponível. Se não é suficiente, a empresa terá que optar por empréstimos, o que acarreta em pagamentos de juros, diminuindo a margem de lucro do negócio.

Administrar o capital de giro da empresa significa avaliar as faltas e as sobras de recursos financeiros e os reflexos gerados por decisões tomadas em relação às compras, vendas no momento atual e no futuro.

Fatores que levam à diminuição do capital de giro

  • Redução de vendas
  • Crescimento da inadimplência
  • Aumento das despesas financeiras
  • Aumento de custos

Para calcular o Capital de Giro você precisa:

  • Manter um fluxo de caixa detalhado
  • Saber os recursos (lucro) da empresa
  • Definir o tempo de duração do recurso para sua constante reposição

Dicas para prevenir a insuficiência do capital de giro

  • Mantenha o controle da inadimplência
  • Renegocie dívidas para o longo prazo 
  • Reduza custos e despesas

6. Faturamento

O faturamento é um termo simples de entender, mas nem por isso se trata de algo com pouco importância. É por meio dele que a empresa determina quanto foi o valor recebido pelas vendas em um determinado período.

É por meio do estudo das informações de faturamento que o empresário poderá verificar quais são os itens de seu portfólio que lhe trazem mais retorno, quais os menos vendidos, os mais lucrativos, entre outras informações estratégicas.

Manter um bom controle acerca do faturamento também é importante na hora de buscar por financiamentos ou parcerias com outros empresários, para demonstrar a potencialidade de um negócio.

7. Margem de lucro

A margem de lucro é um dado muito importante para a empresa. Ela é uma porcentagem, calculada de acordo com o preço do produto e com base em estudos de precificação e colocação no mercado, que é adicionada aos custos de um item para compor seu preço final.

A diferença entre todos os seus custos de produção e demais despesas a serem inseridas para a fabricação de um produto e o preço final é igual a margem de lucro que será obtida pela empresa.

É necessário também levar em consideração todos os impostos exigidos pelo governo, que são considerados como despesas operacionais. É com base na margem de lucro e estimativa de vendas, que o empresário pode ter um vislumbre de um determinado período futuro.

8. Rentabilidade

A rentabilidade é muitas vezes confundida com lucratividade, porém são dois termos distintos. Enquanto que o segundo tem relação apenas com os custos de produção e retornos recebidos, o primeiro vai além.

A rentabilidade diz respeito a todos os valores investidos para se criar uma operação e o retorno que se obtém dela. Ou seja, uma empresa pode ser lucrativa, mas ainda não ser rentável.

Isso porque, pode-se obter lucros sobre os produtos vendidos, mas os valores recebidos ainda não cobriram os investimentos realizados para implantar toda a empresa e seus processos. É por meio da rentabilidade que um empresário pode medir se vale a pena ou não investir em um determinado negócio.

Chegamos ao fim de nosso pequeno dicionário financeiro e esperamos que você possa ter entendido e venha a fazer bom uso de todos os termos exemplificados e descritos aqui.

Ainda tem alguma dúvida? Gostaria da explicação de alguma outra palavra? Deixe seu questionamento nos comentários, vamos ter prazer em lhe responder!

Kyvya Revoredo
Kyvya Revoredo é contadora, pós-graduada em comércio exterior pela UES. Gerencia a Contábil Rio, empresa com tradição no mercado de contabilidade desde 1955, executando um trabalho estratégico e utilizando as melhores práticas de redução de custos para as empresas.
Dicionário financeiro: 8 termos que sua empresa precisa conhecer!
Rate this post