Todo negócio precisa ser bem administrado. Essa administração é o que se costuma chamar, no universo corporativo, de gestão. Por isso, é importante fazer uma boa gestão para usufruir dos melhores resultados dentro de sua empresa.

A gestão é que permite à empresa desenvolver objetivos específicos e traçar estratégias a fim de alcançá-los. Uma boa administração permite que o negócio se desenvolva saudavelmente em médio e longo prazo. Saiba mais sobre como fazer a gestão empresarial lendo este post!

1. Faça um planejamento e gerencie suas atividades

O planejamento é o ponto de partida de toda gestão empresarial. Sem planejamento, não é possível fazer uma boa administração, considerando principalmente os aspectos financeiros. Quando se fala em gerenciar empresas, os recursos financeiros são uma das bases fundamentais.

Mas o planejamento deve contemplar todas as áreas: finanças, pessoal (funcionários), marketing, clientes, fornecedores. Toda atividade deve ser planejada e bem aplicada, ou seja, praticada de acordo com o plano original.

Além disso, é preciso acompanhar o desenvolvimento dos processos e das operações. Isso é possível por meio da setorização e, ao mesmo tempo, da integração entre todos os setores. Com um sistema automatizado de boa qualidade, fica muito mais fácil controlar as atividades e manter um fluxo de informações contínuo e eficiente.

A análise dos resultados através de indicadores é uma forma eficaz de comparar o planejamento com os resultados, confirmando ou não o alcance das metas. Para aplicar com mais precisão os indicadores, os softwares de gestão são importantes aliados.

2. Fique atento às questões financeiras

O setor financeiro é um dos pilares de toda gestão empresarial, pois somente com dinheiro é possível adquirir matéria-prima e outros insumos (como produtos acabados ou semiacabados), comprar equipamentos para a realização das atividades, pagar os funcionários e mão de obra alternativa, cumprir as obrigações tributárias (pagamento de impostos, taxas e contribuições), pagar contas de serviços diversos (água, luz, internet), e aluguel do imóvel (em caso de empresa sem sede própria).

Enfim, existe uma série de custos que uma empresa deve arcar e manter controle sobre eles, encontrando meios de reduzi-los ou até mesmo eliminá-los. O gestor deve cuidar do fluxo de caixa, controlando todo o dinheiro que entra e sai, determinando sua origem e sua destinação.

Existem os custos fixos, como salários e encargos dos funcionários (folha de pagamento), pagamento dos fornecedores, aluguel (imóvel, equipamentos, veículos etc), a energia elétrica, a água, e assim por diante. Os custos fixos devem ser bem definidos e separados dos custos variáveis, que se alteram conforme a empresa produza/venda mais ou menos.

No final de cada mês, deve ser realizado o balanço para diagnosticar como anda a saúde financeira do negócio. Recomenda-se montar um orçamento mensal, pois essa prática possibilita ao gestor conhecer o quanto existe em caixa que pode ser aplicado em investimentos (disponibilidade de capital de giro).

Quando os custos estão altos demais, principalmente se eles estão superando as receitas, é urgente tomar medidas para controlá-los e cortar despesas. Essa análise preventiva pode, muitas vezes, salvar a empresa de uma situação crítica, evitando também a demissão de funcionários.

3. Gerencie o estoque

Todo administrador de empresas sabe que um estoque muito grande e parado acaba causando prejuízos ou, ao menos, reduzindo as possibilidades de expansão do negócio. O estoque representa fonte de fornecimento da empresa para o consumidor (atendimento das demandas), mas também pode caracterizar capital de giro imobilizado.

Para lidar corretamente com o estoque, é necessário fazer uma gestão empresarial baseada em estratégias de “compras enxutas”, ou seja, nada de comprar demais, nem com muita antecipação. A compra antecipada de itens para o estoque só vale em ocasiões especiais, como: evitar um aumento de preços que está por vir ou evitar a falta de produto estocado diante de uma previsão de falta do item no mercado.

O Just In Time é uma estratégia que defende a compra de itens apenas no momento certo. E, para definir esse momento, é preciso identificar o ponto de pedido e calcular o estoque mínimo. Parece difícil? Na verdade, não é! O estoque mínimo corresponde à quantidade mínima a que um produto pode alcançar no estoque sem comprometer o atendimento ao cliente.

Uma boa estratégia de gestão de estoque é a Curva ABC, que seleciona os produtos mais lucrativos dos menos lucrativos, permitindo que se mantenham estoques equilibrados, respeitando a demanda do cliente.

4. Use um software de CRM

Para manter um bom relacionamento com os clientes, um software de CRM ajuda muito. Trata-se de um sistema automatizado que permite cadastrar clientes no sistema de forma padronizada. Isso significa que existe um banco de dados centralizado, que possibilita acesso rápido e fácil a informações valiosas. O sistema de CRM pode ser dividido em três partes:

  1. operacional: cujo objetivo são os canais de relacionamento, principalmente a geração de canais de vendas;
  2. analítica: trata-se da análise de dados e de informações, contribuindo para que eles gerem um conhecimento direcionado aos negócios, identificando as necessidades do cliente conforme seus hábitos de consumo;
  3. colaborativa: o objetivo é conseguir agregar valor ao produto/serviço oferecido ao cliente, baseando-se na interação com ele.

O CRM contribui para identificar prospects, gerar leads, fidelizar e cativar clientes, fundamentando-se em conhecimentos mais seguros e confiáveis.

5. Faça campanhas de marketing digitais

Todo recurso tecnológico e, em particular, digital pode oferecer mais eficiência à gestão empresarial. Além de softwares de gestão (tradicionais ou na nuvem), é importante aproveitar o universo digital para realizar campanhas de marketing digital.

As campanhas tradicionais costumam custar mais caro. Quando se opta pelos recursos digitais, há mais economia para a empresa e a possibilidade de conquistar excelentes resultados. O ideal é aproveitar tanto as mídias tradicionais quanto os recursos digitais para elaborar campanhas de marketing.

As redes sociais, os blogs e as plataformas de interação são um campo fértil para o gestor, pois atraem uma quantidade enorme de pessoas interessadas, sem considerar tempo e distância. O compartilhamento multiplica as possibilidades de alcançar novos consumidores e até um novo mercado.

Interagindo com as mídias digitais, o gestor pode aprimorar cada vez mais seus produtos e atendimento, ampliar suas possibilidades de vendas e crescimento do negócio.

Enfim, para uma gestão empresarial eficiente, é necessário boas práticas de planejamento, auxílio de ferramentas inteligentes, além da constante análise dos resultados das estratégias. 

Quer receber mais conteúdos como este? Aproveite para assinar a nossa newsletter e ficar sempre atualizado sobre as novidades do mundo dos negócios.

Confira também:

https://materiais.contabilrio.com.br/guia-imposto-a-recuperar-e-recolher

Kyvya Revoredo
Kyvya Revoredo é contadora, pós-graduada em comércio exterior pela UES. Gerencia a Contábil Rio, empresa com tradição no mercado de contabilidade desde 1955, executando um trabalho estratégico e utilizando as melhores práticas de redução de custos para as empresas.
Gestão empresarial: entenda o que é e como fazer
Rate this post